RSS

Arquivo da tag: miséria

As cidades um ano depois…

Ainda sobre as visitas que fizemos no último dia 18 às cidades inundadas pelo Rio Mundaú, venho trazer o presente texto. Este se atém às questões mais objetivas das necessidades daquelas cidades, não só de sua população, mas também do município enquanto ente federativo, dotado de condições estruturais mínimas para assim serem reconhecidos.

Visitamos as cidades de Murici, Branquinha, União dos Palmares e São José da Laje. Todas cortadas pelo rio, o que proporciona a muitas famílias sua subsistência e também algum incremento na economia local.

Diversas foram as necessidades que foram apontadas pelos próprios moradores, mas também por nós. No texto anterior (“A verdade sobre as vítimas das enchentes de 2010 em Alagoas”) procurei deixar claro que o problema não era a comida, não era sua baixa qualidade ou sua falta. Não, este, definitivamente, não era o problema. A comida que vimos era de boa qualidade e quantidade.

No entanto, gostaria de explicar melhor esta situação. Os desabrigados, assentados em acampamentos de lona, têm “direito” à alimentação três vezes ao dia, para isso apresentam seu “marmitex” e uma “senha”, tudo fornecido pela autoridade pública. No entanto, é importante frisar que, diante da ausência de outros itens de necessidade básica, como produtos de higiene pessoal, ou de utensílios de limpeza doméstica, assim como assistência médica mais específica e urgente, dentre outras necessidades básicas, algumas famílias venderam seus “marmitex” e “senha” e hoje perderam seu “direito” às três refeições diárias.

Estas pessoas estão se virando com o que podem e como podem, seja “filando” a comida do vizinho ou de um parente, ou empregando o pouco que ganham em subempregos (ou com a venda do que lhes restou da enchente) na alimentação diária, faltando, obviamente, para todas as outras necessidades.

A falta de emprego nas cidades visitadas, bem como em todo nosso estado, é situação que merece registro. O ócio que pode ser constatado em todos os acampamentos é flagrante, não só dos adultos em idade laboral, mas também das crianças, que, como já aventado no texto anterior, não têm distração lúdica e nem construtiva, enquanto são assistidas, ou não, pelos adultos e idosos, que não empregam suas horas em nada produtivo, não têm emprego, seja pela total ausência de oferta, de qualificação, ou qualquer outra razão, mas também não investem em artesanato ou outra forma de subsistência ou de melhora pessoal.

Como não poderia ser diferente, em localidades em que a educação e o emprego não são encontrados impera o banditismo, o caos social. As pessoas (dentre elas as crianças) são facilmente atraídas para a criminalidade, para o uso de drogas, para o consumo desmedido de bebida alcoólica, junto com estas escaras aumenta o número de conflitos domésticos e gradualmente comunitários.

O aumento da criminalidade nos assentamentos tem refletido em todas as cidades, é comum ouvir munícipes admitindo que evitam determinada zona da cidade (a dos assentamentos) para não serem vítimas desta criminalidade. Estes resolveram diminuir os limites territoriais de seus municípios, conscientemente fechando os olhos para um problema que só se avoluma, e que, cedo ou tarde, baterá a sua porta, ultrapassando, inadvertidamente, aqueles “limites” impostos pelos “cidadãos de bem”.

Tivemos a oportunidade de conversar com uma guarnição da Polícia Militar que fazia sua ronda matinal num dos assentamentos. Com eles descobrimos que a cada turno há quatro militares e um civil, que desde a quinta anterior, ou seja dia 16/06, que estavam fazendo três rondas diárias, uma por período. Dispunham de uma viatura, um Fiat uno. Enquanto estavam os quatro patrulhando a área, o único agente civil de serviço estava sozinho “guardando” o posto policial. Eles disseram que esta situação se estende por seis cidades da região. Ressalvaram ainda que, “vivemos num meio muito pacífico, porque se essas pessoas quisessem fariam qualquer coisa com a gente e com a cidade, não podemos controlar um grupo grande de pessoas”. Sim, é este o policiamento que tem “guardado” as cidades, os assentados, os favelados e todo o resto.

O presente texto visa esmiuçar um pouco mais o cotidiano nas cidades atingidas pelas enchentes do ano passado. Falta água encanada, falta estrutura mínima de banheiro (sanitário e chuveiro), falta limpeza, falta urbanidade, falta educação, falta emprego, falta renda lícita, falta tudo o que é necessário numa sociedade, num aglomerado de pessoas, numa comunidade, num município.

Por fim, gostaria de deixar registrado que a situação na cidade de São José da Laje é a mais diferente, nela é possível vislumbrar o respeito à dignidade daquelas pessoas. Foi o único lugar onde a necessidade deixou de ser básica, de sobrevivência, de dignidade, e passou a ser de cunho pessoal, individual, de reconhecimento em si próprios, de individualidade.

ERRATA: Obs: Gostaria de agradecer ao amigo @opoetaepalhaco (jornalista Railton Teixeira); ele esclareceu que a cidade de São José da Laje é cortada pelo Rio Canhotinho e não pelo Rio Mundaú.

 
5 Comentários

Publicado por em 25/06/2011 em Estadual, Política

 

Tags: , , , , , , , , , , , ,

A verdade sobre as vítimas das enchentes de 2010 em Alagoas

No últmo dia 18, junto com um grupo de amigos interessados no que teria acontecido com as vítimas das enchentes do ano passado, visitamos quatro das dezenove cidades atingidas pela enxurrada.

Cada um de nós possuía intenções claras com a visita, e todas convergiam para um mesmo objetivo, o de tentar dar voz àqueles que aparentemente estão esquecidos pela sociedade. Com certeza serão apresentadas visões diferentes, cada um retratando o que viu, o que sentiu e, principalmente, como foi atingido.

Eu, por minha vez, proponho uma visão muito particular. Antes de ir, divulguei que a minha intenção era de alertar a sociedade sobre o que teria ocorrido àquelas vítimas depois da tragédia que assolou seus lares, suas cidades e devastou suas vidas.

As pessoas que se chocaram e se sentiram tocados com aquelas imagens aterradoras e com o sofrimento de conterrâneos desolados se mobilizaram no sentido de ajudar com as necessidades primárias que momentos como este requerem, desde vestuário, alimentação, água potável e material de higiene pessoal.

A intenção inicial era de prestação de contas a esses heróis sociais, que na hora do desespero e caos total, inclusive das instituições de representação política, tomaram as rédeas da situação e, cada um a seu modo, e de acordo com suas possibilidades, contribuiu de alguma forma.

Lamentavelmente não poderei prestar tais contas, não foi possível saber a real utilização dessas doações, que não foram só materiais, mas também humanitárias, de tempo e de carinho.

Venho apenas informar o que constatei. Infelizmente a situação daquelas pessoas pouco mudou, suas necessidades continuam sendo as mesmas de momentos caóticos que sucedem tragédias recém ocorridas.

Elas continuam vivendo em situação de miserabilidade completa. Não me refiro à alimentação básica, esta, pelo que pudemos ver, é de boa qualidade. Mas continuam vivendo pior que animais a chafurdarem na lama, e isto não é uma figura de linguagem. Não, crianças não têm opções de lazer, brincam em qualquer poça d’água, mas num lugar onde não há água encanada, nem água limpa em abundância, muito menos material de limpeza, qualquer água parada é sinônimo de lama.

As crianças estão perdendo sua infância, inventando brincadeiras com o que têm a mão, o que não se resume ao lamaçal, revolto em lodo e em dejetos humanos, mas também aos exemplos que lhes são impingidos pela sociedade que estão formando, às margens de comunidades favelizadas e dominadas pelos bandidos.

Hoje vejo claramente o quão pretensiosa fui ao achar que poderia exprimir em palavras o cotidiano dos flagelados. O que pude sentir acompanhando um pouco daquela rotina é impossível ser passada por palavras.

O calor dentro das “cabanas”, que tanto já foi abordado pelo jornalismo, é impossível de ser descrito, comparo-o apenas ao calor que sai do forno quando abrimos sua porta. O odor fétido por todo o acampamento é comparável apenas ao de cadeias imundas e superlotadas. A expressão de dor, de sofrimento, de abandono que se extrai do rosto de cada criança, de cada adulto, de cada idoso é a mesma, e igualmente impossível de comparar, mas talvez se assemelhe àquelas expressões de terror que fotógrafos de guerra conseguem captar.

Enfim, as impressões por mim expressas aqui estão infinitamente aquém daquela realidade, não posso dizer que recomendo que façam as mesmas visitas que fizemos, não, não mesmo, não recomendo a ninguém. A dor que o espectador sente reflete muito do que eles sentem e, acreditem, é insuportável.

Conviver diariamente em meio ao caos é o que acontece, conviver em sociedade já é tão difícil, imagine sequer ter noção exata de onde termina o seu espaço e começa o do outro.

Conclamo a sociedade a não esquecer aqueles flagelados, a cobrarem dos munícipes a solidariedade que se espera para amenizar um pouco esse sofrimento, estas pessoas perderam muito mais que bens materiais, perderam sua individualidade, sua identidade e até sua dignidade.

Ainda acredito que aqueles heróis do ano passado estão por aí, perdidos sem notícias que os inflamem a continuar ajudando e inspirando a esperança nesses corações. Façamos nossa parte.

Agradeço sua publicação em Luis Nassif Online, em Resumo Político, em Zema’s Blog e em MaltaNet

Agradeço ainda a releitura feita por Dr. Firmino (@jose_firmino) que foi publicada no Jornal Extra de 23/06/2011 e nos sites Maceió Agora e Salve Alagoas.

 
7 Comentários

Publicado por em 19/06/2011 em Estadual, Política

 

Tags: , , , , , , , ,